5 países da Europa autorizam entrada de brasileiros; leia lista

Só Suíça e França dispensaram medidas de quarentena e de testagem para os brasileiros totalmente imunizados contra o vírus. Ou seja, quem tomou as duas doses da vacina, ou recebeu a de dose única. Para os 2 países, passageiros vindo do Brasil que não estão completamente vacinados têm que apresentar o motivo da viagem, teste negativo e passar 10 dias de quarentena antes de sair às ruas.

A França aceita 3 das 4 vacinas em aplicação no Brasil para autorizar a entrada de viajantes. A CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, não está na lista. Cerca de 39% da população brasileira recebeu a CoronaVac segundo dados de domingo (18.jul.2021) do Localiza SUS plataforma do Ministério da Saúde.

Leia quais são os imunizantes aceitos para entrada de brasileiros em alguns países:

 

 

Para outros países do mundo a entrada de brasileiros ainda demanda o cumprimento de medidas preventivas à covid. Das nações selecionadas pelo Poder360, a exceção é o México, que não determinou nenhum tipo de requisito. A maioria exige teste ou quarentena. Em 5 as viagens partindo do Brasil ainda não são permitidas.

Em julho, o Catar e o Marrocos também passaram a aceitar brasileiros totalmente imunizados. Se essa condição for atendida, não é preciso fazer quarentena ou teste para entrar nos países. No começo do mês a Madeira também anunciou que está recebendo estrangeiros imunizados com qualquer vacina. O arquipélago de cerca de 780 km² localizado no Oceano Atlântico, 700 km a oeste da costa africana, é uma região autônoma de Portugal.

PASSAPORTE DE IMUNIDADE

Evitar restrições como obrigatoriedade de testes e quarentena é justamente o objetivos dos passaportes de imunidade criados em alguns locais.

A União Europeia autorizou a livre circulação de residentes imunizados dentro do bloco. O Certificado Digital Covid do bloco começou a funcionar em 1º de julho. Válido para todos os 27 países-membros do bloco, além de Islândia, Liechtenstein, Noruega, Suíça, Vaticano e San Marino.

O certificado indica que a pessoa já foi vacinada contra a covid, testou negativo para doença e se já se recuperou da infecção. Com a adoção da ferramenta, os países não podem novas restrições a viagens de quem tem o certificado. A exceção é para casos de circulação de novas variantes do vírus. Nessa situação, o governo deverá comunicar e justificar a decisão à Comissão Europeia e a todos os outros Estados-membros.

As nações têm liberdade para aceitar documentos emitidos fora da UE e autorizar a entrada de pessoas vacinadas com imunizantes aprovados tanto pela EMA (Agência Europeia de Medicamentos) quando pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Fonte: Poder 360

Créditos: Blog do Elias Hacker

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.