Audiência no Supremo discute posse de Fernando de Noronha

O Supremo Tribunal Federal marcou para esta quarta-feira (25) a audiência de conciliação entre a União e o estado de Pernambuco em uma ação que discute a titularidade federal sobre o Arquipélago de Fernando de Noronha.

A ação movida pela União requer a posse sobre o arquipélago e determina que o estado de Pernambuco observe os termos da cessão de uso em condições especiais da ilha. Atualmente, a região é de responsabilidade do governo do estado.

Contrato de cessão

A União alega que o contrato de cessão, celebrado em 2002, não estaria sendo cumprido pelo estado de Pernambuco. Segundo a AGU, ao não reconhecer o domínio da União sobre o arquipélago, o estado, teria esvaziado os termos do contrato.

Na ação, a Advocacia-Geral da União afirma que o governo do estado vem permitindo o crescimento irregular da rede hoteleira e autorizando construções na faixa de praia sem autorização da Secretaria de Patrimônio da União (SPU).

Segundo a peça, não estaria sendo cumprida também a obrigação de prestação de contas anual das atividades no arquipélago e os pagamentos mensais à União. A União quer informações sobre o ressarcimento dos valores devidos a título de pagamento mensal sobre as áreas remanescentes cedidas.

Em nota, o governo de Pernambuco reclama que a União não cumpriu a promessa de que iria construir uma estrutura de saneamento básico para a ilha. Enquanto isso, diz o texto, a administração estadual tem investido na infraestrutura da localidade.

Fernando de Noronha sempre fez parte de Pernambuco. Por sua localização estratégica foi considerada território federal em 1942 e utilizada como base militar na época da Segunda Guerra Mundial. Com a Constituição de 1988, voltou a compor o patrimônio do estado de Pernambuco. É um orgulho do povo pernambucano e vai continuar sendo

GOVERNO DO ESTADO DE PERNAMBUCO

Audiência de Conciliação

undefined

O ministro Ricardo Lewandowski é o relator da ação. A audiência, que será por vídeo conferência, contará com o apoio do Centro de Mediação e Conciliação so STF e será conduzida por juízes instrutores do gabinete de Lewandowski. Durante a audiência, cada parte poderá indicar um representante para se manifestar com amplos poderes para decidir o posicionamento da parte durante o encontro.

O Código de Processo Civil de 2015 estabeleceu como norma fundamental do sistema a adoção de métodos consensuais de solução de conflitos, podendo implementar-se a conciliação ou a mediação em qualquer fase do processo ou até mesmo após o encerramento da marcha processual.

Fonte: R7.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.