Big techs se unem contra milícias de extrema direita e supremacistas

As principais empresas de tecnologia dos Estados Unidos estão trabalhando para combater o material de supremacistas brancos e milícias de extrema direita compartilhados online. O GIFCT (Fórum Global da Internet para Combate ao Terrorismo, na sigla em inglês) conta com a participação de big techs como FacebookMicrosftTwitter e YouTube, do Google.

O GIFCT costumava se concentrar em vídeos e imagens compartilhadas por grupos terroristas seguindo uma lista das Nações Unidas. Mas isso significava que o monitoramento ficava restrito a organizações extremistas como Estado Islâmico, Al Qaeda e Talibã. Agora, o grupo expande os tipos de conteúdo extremistas monitorados e excluídos, segundo a Reuters.

Publicações como manifesto de agressores, que são compartilhados depois de atos de violência, serão rastreados. O grupo de big techs terá o apoio da iniciativa Tecnologia Contra o Terrorismo, da ONU (Organização das Nações Unidas). Além de vídeos e imagens, também serão monitorados URLs e PDFs.

Também serão incluídos grupos de ódio já conhecidos, como os Proud Boys, Three Percenter e neonazistas.

As redes sociais irão compartilhar entre si representações dos tipos de conteúdo que conseguiram identificar e excluir para que os outros serviços possam excluir as publicações. Esse banco de dados contra o terrorismo ficará disponível para 14 empresas, entre elas o Reddit, o Snapchat e o Dropbox.

O próximo passo é incluir no rastreamento arquivos de áudio e o reconhecimento de símbolos específicos. O foco do GIFCT passa a ser o terrorismo doméstico, principalmente depois da invasão do Capitólio dos Estados Unidos, em 6 de janeiro deste ano.

Fonte: Poder 360

Créditos: Blog do Elias Hacker

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *