Com a inflação, embalagens dos produtos encolhem nos supermercados

O pacote de sabão em pó passou de 1 quilo para 800 gramas, o biscoito de 200 gramas agora tem 160 gramas, a aveia perdeu 35 gramas, o molho de tomate reduziu de 150 gramas para 120 gramas e até a caixa de fósforo diminuiu de 240 unidades para 200.

Com a inflação, os brasileiros também estão enfrentando a mudança do tamanho dos produtos nos supermercados, mas sem a redução dos preços.

Embora não seja novidade, a prática chamada de “reduflação” é uma estratégia das empresas que reduz o tamanho do produto ao invés de elevar os preços.

Dessa forma, não cria no consumidor a sensação de que os preços dos produtos, sobretudo dos alimentos, estão subindo tanto.

Porém, a redução da quantidade significa, na prática, a mesma coisa. O consumidor paga mais por menos produto.

Segundo o Idec (Instituto de Defesa do Consumidor), a presença de novas embalagens com diferentes quantidades é uma forma de driblar a lei, já que confunde as pessoas, que estão acostumadas a comprar os produtos e podem acabar não percebendo a diminuição das embalagens.

Apesar de não ser ilegal, existem regras que as empresas devem seguir para que não lesem os consumidores.

O Procon esclarece quais são as obrigações das empresas:

• Informar o consumidor qual a quantidade que havia antes e qual há depois da alteração

• Alertar para a mudança em local de rápida e fácil visualização, em negrito, caixa alta e em cor que contrasta com o resto da embalagem.

• Informar o tamanho da redução, tanto de forma percentual, quanto de forma absoluta.

• Manter a informação sobre a mudança por pelo menos 6 meses.

Em caso de descumprimento, o consumidor pode denunciar a empresa para os órgãos responsáveis, como o Procon, o Senacom e o próprio Ministério da Justiça.

Nesse caso, as empresas podem ser punidas por agirem de má-fé e em “desconformidade com os princípios do dever à informação e transparência”, segundo o Procon.

Porém, ainda que as empresas sigam essas regras, a reduflação pode ser vista como “maquiagem do produto” e, conforme o Idec, utilizada para “não expor a própria imagem, ocultando o aumento do preço com a redução das embalagens”.

O Idec, em nota, se pronunciou sobre a reduflação, e classificou como uma forma de “driblar a lei”. Confira:

Outra estratégia utilizada pelas empresas é de substituir ingredientes da receita por outros mais baratos, de forma a não repassar o aumento dos preços aos consumidores.

Um exemplo disso aconteceu com o leite condensado da Nestlé, que não diminuiu de tamanho, mas foi alterado para “mistura láctea condensada”, com ingredientes mais baratos e de menor qualidade.

O caso causou espanto e críticas dos consumidores e o assunto repercutiu nas redes sociais, sobretudo no Twitter.

A marca se pronunciou sobre a questão. “Os consumidores da Nestlé são plurais e a empresa se preocupa em desenvolver produtos que atendam às suas diversas necessidades. O Moça Pra Toda a Família é uma alternativa ao leite condensado com menor desembolso para as famílias brasileiras que querem continuar preparando suas receitas sem abrir mão da segurança do resultado e da qualidade Nestlé”, afirmou a empresa em nota.

Outro item que tem chamado a atenção dos consumidores é o sabão em pó Omo, da Unilever, que teve redução na quantidade de produto. O pacote de 1 quilo, agora, vem com 800 gramas de sabão, redução de 20%.

Em nota, a empresa afirmou que mudanças na apresentação dos produtos não são uma prática recorrente.

“Cada segmento de atuação da companhia segue sua estratégia de negócio, que pode envolver alterações que são pontuais para produtos específicos, sempre seguindo as normas estabelecidas pela legislação e as tendências de mercado”, afirmou a empresa.

A “reduflação” é comum em tempos de inflação alta, como o que é vivenciado pelos brasileiros em 2022.

Em maio, apesar de ter havido uma desaceleração, o IPCA (Índice de Preço ao Consumidor Amplo) que mede a inflação oficial foi de 0,47% e, nos últimos 12 meses, de 11,73%. No acumulado do ano, o índice chegou a 4,78%.

Nos últimos cinco anos, o consumidor brasileiro perdeu 30% do poder de compra, e isso pode ser visto nas reclamações em redes sociais sobre idas aos supermercados. São bastantes comuns demonstrações de quantos produtos são comprados por R$ 100.

O ideal é que o consumidor fique atento quando for ao supermercado fazer as compras, tanto no preço, quanto na quantidade ofertada pelas empresas, para que saiba exatamente o quanto está comprando e quanto está pagando.

Estagiário do R7, sob supervisão de Ana Lúcia Vinhas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.