Coreia do Norte tem 21 mortes por Covid em ‘maior calvário’ da história

A Coreia do Norte registrou neste sábado (14) mais 21 mortes relacionadas com a Covid-19, além de 174,4 mil novos casos potenciais, dois dias depois de relatar suas primeiras infecções, enquanto o líder Kim Jong-un qualificou a atual crise sanitária como “o maior calvário desde a fundação do país”.

A agência de notícias estatal KCNA publicou a atualização dos dados da epidemia registrados até o dia anterior, após uma reunião de emergência do Politburo norte-coreano, presidida por Kim.

De acordo com o balanço, desde o fim de abril e até o dia anterior, foram detectadas no país 524.440 pessoas com febre de origem desconhecida (como o regime parece estar se referindo à doença pandêmica), das quais 234.630 teriam se recuperado e 288.810 estariam recebendo tratamento.

Por sua vez, o número de óbitos registrados pelo país e ligados a essa sintomatologia chegou agora a 27, dos quais pelo menos um teve resultado positivo para teste de Covid-19, conforme relatado pelo governo norte-coreano.

“O Politburo discutiu medidas políticas práticas para suprimir e controlar rapidamente a propagação de doenças infecciosas em todo o país”, destacou a KCNA. Kim, que ressaltou a gravidade da situação, pediu o reforço das medidas de quarentena para superar “a crise” e garantiu que a maioria dos pacientes está enfrentando uma forma “leve” da doença.

O líder do regime norte-coreano defendeu ainda o estrito fechamento de fronteiras que seu país empreendeu em 2020, com a explosão da pandemia, e pediu às autoridades locais que aprimorem seus sistemas de quarentena e sensibilizem a população sobre sua importância.

Kim também atribuiu a atual situação epidêmica no país à “incompetência” e “irresponsabilidade” das organizações que deveriam gerenciar as quarentenas, enfatizando a importância de estudar as políticas aplicadas em outros países e suas conquistas.

A Coreia do Norte relatou na quinta-feira seu primeiro surto de Covid-19 desde que o patógeno foi detectado, há mais de 2 anos. A situação é preocupante devido ao grau de contágio da variante detectada, a subvariante Ômicron BA.2, e ao fato de o país ter rejeitado a doação de quase 5 milhões de doses de vacinas pelo consórcio Covax, não ter aplicado uma única dose em sua população e tampouco ter um plano nacional de vacinação.

Fonte: R7.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.