A implementação de duas doses de vacina continua sendo a forma mais eficaz de garantir proteção contra a variante Delta da Covid-19, que é a principal preocupação no Reino Unido, segundo um estudo da Universidade de Oxford. A pesquisa descobriu que com Delta, as vacinas Pfizer-BioNTech e Oxford-AstraZeneca ainda oferecem boa proteção contra novas infecções, mas a eficácia é reduzido em comparação com Alpha.

Duas doses de ambas as vacinas forneceriam pelo menos o mesmo nível de proteção contra a Covid-19 por infecção natural, além de que pessoas que foram vacinadas após já terem sido infectadas pelo vírus tiveram ainda mais proteção do que indivíduos vacinados que não haviam tomado antes.

Por outro lado, as infecções delta após duas doses de vacina tiveram níveis de pico de vírus semelhantes aos de pessoas não vacinadas; com a variante Alfa, os níveis de pico do vírus nas pessoas infectadas após a vacinação foram muito mais baixos.

A professora Sarah Walker, professora de estatística médica e epidemiologia da Universidade de Oxford e pesquisadora-chefe e líder acadêmica do Covid-19 Infection Survey, disse: “O fato de que eles podem ter altos níveis de vírus sugere que as pessoas que ainda não foram vacinadas podem não estar tão protegidas da variante delta como esperávamos. Isso significa que é essencial que o maior número possível de pessoas sejam vacinadas – ambos no Reino Unido e em todo o mundo.”

Além disso, o estudo concluiu que:

  • Uma única dose da vacina Moderna tem eficácia semelhante ou maior contra a variante delta do que as doses únicas das outras vacinas;
  • Duas doses de Pfizer-BioNTech têm maior eficácia inicial contra novas infecções por Covid-19, mas diminui mais rapidamente em comparação com duas doses de Oxford-AstraZeneca;
  • Os resultados sugerem que após quatro a cinco meses a eficácia dessas duas vacinas seria semelhante – no entanto, os pesquisadores dizem que os efeitos de longo prazo precisam ser estudados;
  • O tempo entre as doses não afeta a eficácia na prevenção de novas infecções, mas as pessoas mais jovens têm ainda mais proteção contra a vacinação do que as pessoas mais velhas.

“O fato de não vermos nenhum efeito do intervalo entre a primeira e a segunda doses e a maior eficácia de termos tomado duas doses, em vez de uma dose, apóia a decisão de reduzir para oito semanas, agora o delta é a principal variante de preocupação”, explicou Dr. Koen Pouwels, pesquisador sênior do Departamento de Saúde da População da Universidade de Oxford.

A pesquisa continuará monitorando a pandemia no Reino Unido semanalmente para procurar sinais de alerta de aumento das taxas de infecção em diferentes regiões, sub-regiões e grupos demográficos, bem como continuar a comparar a eficácia de diferentes vacinas e monitorar o impacto da imunidade na proteção contra Covid-19 e suas variantes.

“Sem grandes pesquisas comunitárias como a nossa, é impossível estimar o impacto da vacinação nas infecções sem sintomas – elas têm o potencial de manter a epidemia, especialmente se as pessoas que foram vacinadas erroneamente pensarem que não podem pegar Covid-19. Estamos muito gratos a todos os nossos participantes por desistirem de seu tempo para nos ajudar”, concluiu a professora Sarah Walker.

Fonte: Medical Xpress