Demissão de Silva e Luna da Petrobras é negociada no governo

O presidente Jair Bolsonaro, ministros civis e militares e representantes da área econômica negociam a demissão do presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna. De acordo com interlocutores do ministro, ouvidos pelo R7, o chefe do Executivo quer que o general peça demissão, mas encontra resistência de Luna.

A avaliação no governo é que a política de preços da Petrobras, os aumentos recentes do preço dos combustíveis e a demora na queda dos valores do litro da gasolina e do diesel mesmo diante da baixa do dólar geram desgaste. Silva e Luna é um nome forte entre os militares que apoiam o presidente.

O general está vindo para Brasília e deve chegar ainda nesta segunda-feira (28) para conversar com Bolsonaro. Caso ele resista a pedir demissão, a iniciativa pode partir de Bolsonaro, o que geraria ainda mais turbulência no mercado. As negociações ocorrem desde a semana passada, e setores do mercado financeiro já foram avisados de que a troca pode ocorrer ainda nesta segunda-feira.

O general chegou ao cargo em abril do ano passado, para substituir o então ocupante do posto, Roberto Castelo Branco. Ele foi aprovado pelo conselho de administração da estatal após indicação do presidente. O nome de Silva e Luna não deve estar em uma lista que será enviada ao conselho. Ele poderia ficar no cargo até o ano que vem. No entanto, com mudanças na equipe do colegiado que administra a Petrobras, abre-se espaço para a troca no cargo máximo da empresa. O economista Adriano Pires é o mais cotado para o cargo.

Fonte: R7.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.