Democracia haitiana foi enfraquecida por presença estrangeira, diz ex-OEA

O enfraquecimento da democracia no Haiti é anterior ao governo atual e foi acentuado pela presença estrangeira. Essa é a avaliação de Ricardo Seitenfus, representante especial da OEA (Organização dos Estados Americanos) no Haiti de 2009 a 2011.

Autor dos livros “Haiti – Dilemas e Fracassos Internacionais” e “A ONU e a Epidemia de Cólera no Haiti”, Seitenfus deu entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, publicada neste domingo (11.jul.2021).

O país atravessa grande instabilidade social e política, com aumento da violência entre grupos armados. Jovenel Moïse, que presidia o Haiti, foi assassinado em sua casa nos arredores da capital, Porto Príncipe, na última 4ª feira (7.jul.2021).

Em mais de 200 anos de história independente do Haiti, esse é o 3º presidente a ser assassinado. Dezenas deles foram expulsos do poder por meio de impedimentos, de golpes, mas não se chegava a esse extremo”, declarou Seitenfus.

A crise no Haiti, no entanto, é de longa data. O país enfrenta falta de produtos básicos e apagões desde um terremoto que destruiu partes do Haiti em 2010 e deixou mais de 200 mil mortos. À época, o país tinha 9,9 milhões de habitantes e viveu grave epidemia de cólera. A maioria da população vive abaixo da linha de pobreza.

Após o terremoto, ao não dar prioridade às instituições haitianas, a missão [da ONU (Organização das Nações Unidas)] e o que se seguiu dela, todas as doações para a reconstrução do Haiti, enfraqueceram o Estado e as instituições” falou o ex-OEA.

Eu acho que a presença internacional enfraqueceu, não somente as instituições, mas a própria democracia haitiana. Há exemplos onde a missão ou o seus representantes, o representante pessoal do Secretário-Geral, interviu em processos eleitorais”, disse.

[A missão] Tentou afastar o presidente René Préval no final de novembro de 2010. Eu te falo isso, porque eu participei da reunião e, como representante da OEA, impedi que acontecesse. É fato histórico, fato provado, e que mancha as missões de paz.

Ao ser questionado se a comunidade internacional atua de alguma forma para garantir a estabilidade no Haiti, Seitenfus respondeu que não.

Cada país está fazendo o seu jogo. A OEA tenta fazer o jogo da legalidade. As Nações Unidas acompanham a OEA. Os EUA, às vezes, atuam de alguma forma, mas a França, não. O Brasil é quase indiferente, não tem uma posição muito clara na relação da política externa com o Haiti.

Segundo ele, “o Brasil não tem interesse no mundo” e nem na política externa.

Isso já vem do final do governo da Dilma, veio se agravando com o Temer e agora está em um patamar inimaginável na nossa história diplomática”, disse Seitenfus.

Poder 360

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.