Ethereum: novo protocolo já ‘queimou’ US$ 4,2 bilhões em moedas

Implementada ainda em agosto deste ano, a atualização “London” chegou para o Ethereum (ETH) com grandes promessas. Apenas três meses depois, os benefícios da mudança estão mais claros do que nunca: além de ter tornado sua rede quase deflacionária, ela também foi responsável pela queima de US$ 4,2 bilhões em moedas, um recorde alcançado nesta quarta-feira (24) — equivalendo a cerca de 1 milhão de etherscomo são chamados as unidades da principal criptomoeda alternativa.

Mais especificamente, a atualização “London” refere-se à implementação do protocolo “EIP-1559”, que apresentou uma reforma no método de taxação da rede Ethereum e permitiu, através de um novo mecanismo, a “queima” parcial dos valores cobrados — conhecidos como “Gas”, no termo popularizado em inglês. Em suma, cada transação realizada retira ethers de circulação, tornando-os mais escassos e, consequentemente, mais valiosos.

Nesse contexto, dados do site Ultra Sound Money apontam que cerca de 7,6 ETHs são queimados por minuto, totalizando uma média diária de 11.042 unidades eliminadas nas atuais métricas. Caso a tendência se mantenha, a rede Ethereum destruirá 4 milhões de moedas anualmente e se aproximará de um “ritmo deflacionário” de emissão, já que ainda produz em torno de 5,4 milhões de ethers todos os anos.

Os dados também revelam que os maiores agentes “queimadores” de ethers ainda são as plataformas de negociação de NFTs e jogos no formato “jogue-para-ganhar”, como a OpenSea e Axie Infinity, respectivamente. Logo em seguida, estão as corretoras decentralizadas, como Uniswap, 1inch e Sushiswap, que movimentam milhões de dólares em moedas na rede Ethereum diariamente.

Atualmente, o ETH é negociado na casa dos US$ 4,2 mil, cerca de R$ 23,8 mil em conversão direta. Há menos de duas semanas, a criptomoeda atingiu um novo topo histórico em US$ 4,8 mil, seguindo sua tendência forte de alta.

Fonte: CoinTelegraph

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *