Fora do ar: ransomware desliga principal sistema de gasoduto dos EUA

Nesta sexta-feira (7), um ataque ransomware atingiu o principal sistema de gasoduto da Costa Leste dos Estados Unidos, obrigando a Colonial Pipeline a desativar sua operação. De acordo com informações do Washington Post, a polícia federal e oficiais de segurança da fornecedora ainda estão investigando o assunto.

Ainda não está claro se o ataque foi iniciado por cibercriminosos de governos estrangeiros, ou por um grupo criminoso local, disse um oficial à publicação.
Imagem mostra dois homens ao lado de um duto da Colonial Pipeline
A Colonial Pipeline é responsável pela distribuição de 45% de todo o combustível consumido na Costa Leste dos Estados Unidos. Crédito: Reprodução/Colonial Pipeline

Por meio de nota, a Colonial Pipeline disse que “foi vítima de um ataque de segurança cibernética” e que, como medida responsiva, “colocamos alguns sistemas offline de forma proativa para conter a ameaça, o que interrompeu temporariamente todas as operações do pipeline e afetou alguns de nossos sistemas de TI”.

A empresa também informou que acionou uma companhia de cibersegurança terceirizada especialmente para avaliar a situação e entender a extensão do incidente.

“A Colonial Pipeline está tomando medidas para entender e resolver esse problema. Neste momento, nosso foco principal é a restauração segura e eficiente de nosso serviço e nossos esforços para retornar à operação normal. O processo já está em andamento e estamos trabalhando diligentemente para resolver a questão e minimizar interrupções para nossos clientes e aqueles que dependem da Colonial Pipeline”, completou a nota.

A Colonial Pipeline é o maior sistema de dutos para transporte de produtos refinados do país, responsável por transportar mais de 3 milhões de barris de gasolina, diesel e combustível de aviação entre a Costa do Golfo dos EUA e a área do porto de Nova York.

E cerca de 45% de todo o combustível consumido na Costa Leste chega por esses dutos, endereçando 50 milhões de estadunidenses.

Olhar digital

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *