Liderança do governo no Senado segue indefinida há mais de cinco meses

O governo não tem  líder no Senado desde 15 de dezembro de 2021. O senador Fernando Bezerra (MDB-PE) deixou o cargo após ser derrotado na escolha do novo ministro do Tribunal de Contas da União (TCU). De lá para cá, diversos nomes foram citados; dois foram até escolhidos, mas a mudança não se concretizou.

O último a ser cotado foi o vice-líder do governo no Congresso, Márcio Bittar (União-AC). Ele negou ao R7 que vá assumir o posto e disse que não sabe quem será indicado.

A reportagem procurou o líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (PL-TO) — na falta do titular, ele desempenha a função no Senado em votações importantes —, mas Gomes não atendeu nem respondeu às mensagens.

Em 7 de abril, o vice-líder do governo no Senado, Carlos Viana (PL-MG), disse que havia sido convidado pelo próprio presidente Jair Bolsonaro (PL) e que havia aceitado. “Já que eu estou exercendo [informalmente] há dois meses, vamos trabalhar. Agora é esperar a publicação”, disse à reportagem, à época.

Viana aceitou logo depois que o PL o lançou como pré-candidato ao governo de Minas Gerais. O senador era do MDB, mas se filiou ao partido de Bolsonaro para disputar o cargo. Depois que a nomeação não saiu, o senador disse a interlocutores que não brigaria pelo posto.

R7 apurou que outros nomes voltaram a ser cogitados, e o Palácio do Planalto resolveu não indicar Viana.

LEIA TAMBÉM

Um desses nomes é o senador Alexandre Silveira (PSD-MG), que assumiu a cadeira deixada por Antonio Anastasia depois que ele foi nomeado ministro do TCU. No início do mês, pessoas próximas a ele disseram que a questão não poderia ser descartada, mas que não houve nenhum tipo de conversa recente com figuras do governo sobre ocupar a liderança.

Outro nome lembrado é o do senador Marcos Rogério (PL-RO), que está empenhado na campanha em seu estado, onde é pré-candidato ao governo. Nos bastidores, ele já deixou claro que não pretende assumir a função.

Outro senador mencionado por colegas é Mecias de Jesus (Republicanos-RR). Contudo, ele afirma que não chegou sequer a ser procurado. “Não vejo ninguém abertamente dizendo que aceitaria. Se tem alguém que pretende o cargo, não vi se colocando como candidato. Mas temos vários excelentes nomes”, comentou.

senador Lucas Barreto (PSD-AP) chegou a ser convidado informalmente, mas não aceitou. Ainda em janeiro, ele disse à reportagem que já foi více-líder do governo e que trabalhava pelas eleições em seu estado. Nesta semana, ele voltou a usar o mesmo argumento. “Não tem possibilidade de ser líder agora”, afirmou.

Fonte: R7.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.