Metaverso: terrenos virtuais somam US$ 106 milhões em vendas

Segundo dados do site DappRadar publicados na última terça-feira (30), a “especulação fundiária” está mais forte do que nunca no metaverso. A fonte aponta que somente quatro projetos do nicho movimentaram mais de US$ 100 milhões apenas em vendas de terrenos virtuais no formato de tokens não-fungíveis, os infames NFTs.

A surpreendente marca foi alcançada apenas entre os dias 22 e 28 de novembro, graças aos mais de 6 mil investidores dos projetos The Sandbox, Decentraland, CryptoVoxels e Somnium Space. Conforme sugere a fonte, o aumento da popularidade dessa modalidade, impulsionada pelos últimos anúncios do Meta, transformaram os terrenos virtuais em uma nova categoria de commodities.

Veja mais: NFT de iate super luxuoso é vendido a R$ 3,6 milhões

O destaque fica para o projeto The Sandbox, que gerou sozinho um volume de US$ 86,56 milhões na referida semana, tomando o pódio ao lado do Decentraland e CryptoVoxels, que alcançaram cerca de US$ 15,53 milhões e US$ 2,68 milhões, respectivamente. Junto do Somnium Space, que alcançou “apenas” US$ 1,1 milhões, todo o quarteto foi “edificado” na blockchain da Ethereum, uma das mais populares do nicho.

Abrigado no metaverso, projeto The Sandbox movimentou um volume de US$ 85,56 milhões em apenas uma semana. (Fonte: The Sandbox / Reprodução)Abrigado no metaverso, projeto The Sandbox movimentou um volume de US$ 85,56 milhões em apenas uma semana. (Fonte: The Sandbox / Reprodução)Fonte:  The Sandbox 

O presidente e cofundador da Animoca Brands (empresa-mãe da Sandbox), Yat Siu, falou com o CoinTelegraph sobre a crescente popularidade dos espaços virtuais e sua relação com o novo público: “Embora nem todos entendam o que os direitos de propriedade digital realmente significam, muitos deles estão interessados nisso agora, e isso gerou mais atenção para a rede,” explica. “O Sandbox capturou a narrativa de um metaverso real — um onde você pode realmente ter uma parte dele, e isso também se reflete no preço simbólico,” conclui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *