Motoristas e cobradores de ônibus entram em greve em SP; Prefeitura suspende o rodízio

Os motoristas de ônibus municipais de São Paulo anunciaram a realização de uma greve a partir da zero hora desta terça-feira (14). O sindicato, no entanto, afirma que não fará uma paralisação generalizada devido à liminar judicial que garante o funcionamento de 80% da frota no horário de pico e 60% fora do horário de pico. A prefeitura suspendeu o rodízio na capital paulista até que a situação do transporte público seja normalizada, desta forma, veículos de passeio com placas finais 3 e 4 podem circular livremente.

A entidade sindical não deu detalhes sobre quais linhas serão afetadas durante o dia. “Nós vamos fazer uma greve com responsabilidade. Estamos aqui estudando a forma”, afirmou ao R7 o presidente em exercício do Sindmotoristas (Sindicato dos Motoristas de Ônibus), Valmir Santana da Paz, logo após a confirmação da greve.

Em comunicado atualizado às 5h, a SPTrans lamentou a falta de entendimento entre empresários e a categoria e disse estar monitorando a movimentação da frota. Ao todo, 46 das 150 linhas operaram normalmente durante a madrugada.

Doze linhas que iam até o Terminal Campo Limpo foram estendidas até a Estação Vila Sônia. No Terminal Campo Limpo, 12 linhas estão sendo estendidas até a Vila Sônia, onde é possível fazer integração com o Metrô.

Já o terminal Grajaú, na Zona Sul da cidade, foi fechado por quase uma hora após manifestantes interromperem o fluxo de veículos com dois ônibus.

Reivindicações

Entre os pedidos dos trabalhadores estão reajuste salarial de 12,47% mais aumento real, fim da hora de almoço não remunerada, participação nos lucros (PLR), fim do desconto no vale-refeição quando os trabalhadores entregam atestado médico e melhorias no plano de saúde.

A categoria ameaça entrar em greve desde a semana retrasada. O sindicato já havia marcado o protesto para a última segunda-feira (6), mas adiou a paralisação em razão de avanço nas negociações com o sindicato patronal.

Segundo o Sindmotoristas, o julgamento do díssidio (decisão judicial) relativo à greve e aos salários está agendado para acontecer nesta quarta-feira (15), às 15h. As reuniões entre o sindicato, empresas e prefeitura são acompanhadas pelo TRT (Tribunal Regional do Trabalho). Segundo a Prefeitura de São Paulo, existia o compromisso de que não haverá nenhuma paralisação sem que o TRT seja informado antes.

Prefeitura

Com a paralisação anunciada a prefeitura relembrou, em nota, que obteve decisão liminar para a manutenção de 80% da frota operando nos horários de pico e 60% nos demais horários. Em caso de descumprimento a pena de multa diária é de R$ 50 mil. “A liminar segue válida e a SPTrans espera que ela seja cumprida. A gestora irá monitorar a frota desde o início da operação”, afirmou a empresa municipal, em nota.

“A SPTrans continua acompanhando a negociação entre empresários e trabalhadores e espera uma breve resolução entre as partes, para que a população de São Paulo não seja penalizada”, concluiu a administração.

Relação de empresas com a operação paralisada em suas garagens:

– Santa Brígida (Zona Norte);
– Gato Preto (Zona Norte);
– Sambaíba (Zona Norte);
– Express (Zona Leste);
– Viação Metrópole (Zona Leste);
– Ambiental (Zona Leste);
– Via Sudeste (Zona Sudeste);
– Campo Belo (Zona Sul);
– Viação Grajaú (Zona Sul);
– Gatusa (Zona Sul);
– KBPX (Zona Sul);
– MobiBrasil (Zona Sul);
– Viação Metrópole (Zona Sul);
– Transppass (Zona Oeste); e
– Gato Preto (Zona Oeste).

Relação das empresas operando normalmente – Grupo Local de Distribuição

– Norte Buss (Zona Norte)
– Spencer (Zona Norte)
– Transunião (Zona Leste)
– UPBUS (Zona Leste)
– Pêssego (Zona Leste)
– Allibus (Zona Leste)
– Transunião (Zona Sudeste)
– MoveBuss (Zona Leste)
– A2 Transportes (Zona Sul)
– Transwolff (Zona Sul)
– Transcap (Zona Oeste)
– Alfa Rodobus (Zona Oeste)

Fonte: R7.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.