Nome negativado: os Estados onde metade dos adultos está com contas atrasadas

As variações entre as unidades da federação são significativas, segundo os dados da Serasa Experian.

No Amazonas está o dado mais preocupante: há mais adultos inadimplentes (51,8%) do que adultos com as contas em dia. Em seguida, aparecem outros Estados onde a parcela de inadimplentes é de praticamente metade dos adultos, como Rio de Janeiro, Amapá e Distrito Federal — os três com índices superiores a 49%.

Na outra ponta, com o índice mais baixo do país, está o Piauí, com “apenas” um terço dos adultos com nome sujo. Santa Catarina (34,8%), Rio Grande do Sul (36,3%) e Alagoas (36,8%) também aparecem entre os Estados onde uma proporção maior de adultos está conseguindo pagar as contas em dia.

Veja o ranking completo:

Parcela de adultos inadimplentes por UF. No AM, mais da metade dos adultos está com nome sujo.  .

Uma pessoa está inadimplente a partir do momento em que não consegue pagar uma conta até a data do vencimento. Ela só entra nas estatística de inadimplência da Serasa, no entanto, a partir do momento que a empresa comunica que determinada conta não foi paga.

Depois disso, “a Serasa encaminha comunicação — via SMS, e-mail, carta — para o devedor, falando que a pessoa tem dez dias para resolver essa situação e que, caso contrário, o nome dela vai ser negativado”, explica Rabi.

O que explica essa variação regional?

Qual é a explicação para essa diferença entre os Estados? O economista Luiz Rabi, da Serasa Experian, diz que é essencial levar em conta a renda per capita para entender a questão da inadimplência, já que “renda per capita é capacidade de pagamento” — ou seja, Estados com essa renda mais alta teoricamente tendem a ter menor inadimplência.

Isso ajuda a explicar a situação do Amazonas, que tem a maior taxa de inadimplência do país e também está entre as três menores rendas per capita do Brasil, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mas o Estado com menor proporção de inadimplentes, o Piauí, também está entre aqueles com menor renda per capita. E o Distrito Federal, unidade da federação com maior renda per capita, está entre as maiores taxas de inadimplência.

É que a renda per capita, embora seja um fator relevante, não é o único, argumenta Rabi.

“Existem algumas variáveis que de fato pesam e que fazem diferença quando a gente olha a distribuição estadual, segundo nossa análise e acompanhamento histórico desses dados”, diz o economista.

Rabi destaca que tem observado que a inadimplência tende a ser menor em Estados que estão inseridos em uma cadeia exportadora de commodities e onde o peso desse setor na economia local é relevante.

“Isso faz com que esse Estado tenha uma performance econômica melhor do que a média nacional, ou melhor do que os Estados onde não tem essa característica. Isso explica, por exemplo, porque o Piauí, sendo estado que tem uma renda per capita baixa, tem a menor inadimplência — porque o Piauí é a principal fronteira agrícola da soja, por exemplo.”

Com a guerra da Rússia contra a Ucrânia, preços de energia, combustível, alimentos e outras commodities dispararam. Se por um lado isso causa inflação, também gera aumento de renda dos produtores de commodities.

Ao mesmo tempo, diz Rabi, o peso do setor de serviços — o mais atingido pelos efeitos da pandemia de covid-19 — na economia do Estado também ajuda a entender a inadimplência. “Se o setor de serviço pesa muito, isso tem sido algo que prejudica a inadimplência”, diz.

Esse ponto também ajuda a explicar, aponta ele, a presença do Rio de Janeiro e do Distrito Federal — bastante dependentes do setor de serviços — no topo da lista de inadimplência.

Inadimplência recorde no Brasil

cartão de crédito

CRÉDITO,GETTY IMAGES

Legenda da foto,Aumento da inflação faz estrago brutal na capacidade de pagamento de milhões de brasileiros, diz economista

No Brasil como um todo, são quatro adultos inadimplentes a cada dez, ou 41%. O número de 66,6 milhões de pessoas com nomes negativados registrado em maio é o recorde — o maior desde o começo da série histórica da Serasa Experian, iniciada em 2016. Em relação a maio do ano passado, houve um aumento de 4 milhões de nomes negativados.

A inadimplência vem subindo, aponta o economista, “porque a inflação está corroendo o poder de compra e as pessoas não conseguem mais pagar” suas contas. “Isso faz um estrago brutal na capacidade de pagamento de milhões de brasileiros.”

Outro fator que agrava a situação, diz ele, é a alta de juros — ferramenta usada exatamente para tentar combater a inflação. Esse aumento, no entanto, encarece o crédito usado por consumidores, como no cheque especial e no rotativo do cartão de crédito, conhecidos por serem os mais altos.

A inflação chegou a dois dígitos em setembro de 2021, pela primeira vez desde 2016, segundo dados do IBGE. E continua acima desse patamar: em 12 meses até junho, está em 11,89%, de acordo com os dados mais recentes do IBGE.

Nesse cenário, Rabi diz que ainda não dá para vislumbrar quando a inadimplência vai voltar a cair.

Na análise por área, os dados de maio mostram que o segmento de bancos e cartões gerou o maior volume de dívidas negativadas (28,2% do total), seguido por contas básicas (água, luz e gás), com 22,7%. Em terceiro lugar, aparecem varejo e financeiras, com 12,5%.

Texto originalmente publicado em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-62318788

Fonte: BBC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.