O que é um hacker ético?

As notícias de hoje falam muito sobre ataques cibernéticos. O crime tradicional está atuando cada vez mais em ambientes on-line e ataques em grande escala, como aqueles experimentados pela Equifax e pelo Yahoo, fizeram com que as empresas despertassem para a necessidade de melhorar radicalmente seus protocolos de segurança cibernética. Enquanto muitas vão contratar um novo CSO (Chief Security Officer) e atualizar seus sistemas; uma outra maneira preferida por empresas, é a contratação de um hacker ético.

Um hacker ético é um especialista certificado em computadores e redes, que tentará encontrar vulnerabilidades no sistema do computador de uma organização e obter acesso não solicitado. Também conhecido como teste de penetração, isso é realizado em nome dos proprietários da empresa que estão procurando entender como podem corrigir lapsos de segurança, que hackers mal-intencionados podem explorar.

Os hackers éticos costumam ser chamados de “White Hats”, pois são o oposto direto dos Black Hats, que é um termo usado para aqueles que criam malware e lançam ciberataques para obter lucro pessoal. Os White Hats são particularmente valiosos para uma organização, porque espelham as técnicas e a implantação de software que criminosos usariam para invadir o sistema da empresa. No entanto, a diferença crucial é que, em vez de explorar essas vulnerabilidades, eles documentam suas atividades e fornecem conselhos para tomada de ações, que ajudam a empresa a impedir a invasão por um hacker.

Os hackers éticos são particularmente úteis devido à sua profunda especialização. Ao contrário da maioria dos departamentos de TI, esses especialistas poderão testar todas as áreas da infraestrutura de uma empresa, com métodos conhecidos de ataque cibernético, como o DDoS. Muitas vezes, as brechas na blindagem de uma empresa estão relacionadas à configuração incorreta do sistema, falhas desconhecidas de hardware ou software e fraquezas operacionais. De dentro da organização, isso pode ser difícil de detectar e mitigar, mas sendo um testador de penetração externo, o hacker ético é capaz de localizar essas falhas com muito mais facilidade.

Ao contratar um hacker ético, as empresas confiam ao indivíduo todos os seus protocolos de segurança. Se o hacker optar por divulgar as vulnerabilidades, a empresa ficarrá suscetível a um ataque cibernético. Muitos White Hats são, na verdade, ex-hackers que agora estão usando seus conhecimentos para proteger as empresas, e não para violá-las. Embora seu passado possa causar preocupação, sua legitimidade deriva de qualificações reconhecidas pelo setor, como o EC-Council Certified Ethical Hacker, e a aprovação de órgãos internacionais de segurança. Por exemplo, no Reino Unido, todos os hackers éticos devem ter a aprovação do National Cybersecurity Center, antes de tentar encontrar as vulnerabilidades de uma organização.

A segurança cibernética permanecerá no topo da agenda de qualquer organização. E assim, o hacking ético é uma ótima maneira das organizações testarem suas medidas de segurança de forma confiável, sem expor seus dados e sem gastos excessivos com novo software. Com os ataques cibernéticos em plena evolução, é importante que as empresas continuem a fazer tudo o que estiver ao alcance para proteger seus clientes contra uma violação, e novas soluções como essa, podem ser uma ótima maneira de manter a paz de espírito.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.