O que é um hacker?

Um dos maiores rótulos já criados em nossa história tem o hacker como foco principal. Geralmente associado à criminalidade digital, a palavra significa muito mais do que toda a sua generalização. Embora muitos hackers tenham utilizado seu conhecimento para cometer crimes ao longo da história, a origem da palavra nos remete a outro comportamento.

O que é hacker?

A expressão teve sua origem na palavra inglesa “hack”, que significa cortar algo de forma grosseira ou irregular. Nos Estados Unidos, ela foi associada aos programadores de computação, que utilizavam truques e artifícios para obter um comportamento diferente do original.

Podemos dizer que um hacker é qualquer pessoa que disponibiliza uma solução inovadora para um sistema existente. Imagine que alguém descobre uma forma diferente de escrever no Word, ou então uma nova maneira de acessar a internet? Todos eles podem ser considerados hackers.

Os primeiros hackers teriam aparecido inicialmente no Instituto de Massachusetts (MIT), na década de 1960. Com o passar do tempo, eles foram se proliferando em diversas partes do mundo. Vale destacar que atualmente são profissionais muito requisitados.

Fonte:  Pikist 

Como ser um hacker?

Qualquer pessoa pode ser um hacker, mas ter uma formação voltada na área de informática pode facilitar o processo. Profissionais de Tecnologia da Informação, Ciência e Engenharia da Computação possuem uma facilidade maior para se tornarem um legítimo hacker.

Um especialista em descobrir truques ou brechas em sistemas pode trabalhar em diversas áreas, como a de engenharia de projetos, gerenciamento de riscos, desenvolvimento de softwares e em pesquisa de vulnerabilidades.

Cracker x Hacker

Na década de 1990 foi criada a expressão cracker. Seu surgimento foi para diferenciá-lo dos hackers, que utilizavam o conhecimento para o bem. Os crackers, diferentemente dos hackers, podem ser considerados criminosos. Eles utilizam seu conhecimento para invadir sistemas vulneráveis, como sistemas bancários, sites, bancos de dados e computadores.

Um dos mais conhecidos foi Adrian Lamo, que teve um documentário baseado em sua vida, chamado Hackers Wanted, narrado por Kevin Spacey. Lamo ficou marcado na história por invadir a MicrosoftYahoo! e o New York Times. O cracker foi encontrado morto em 2018 e até hoje não se sabe a causa da sua morte.

O primeiro hacker a ser preso por crimes digitais, nos Estados Unidos, foi Jonathan James. O jovem ficou conhecido por invadir os sistemas do Departamento de Defesa dos EUA e da NASA. Aos 15 anos de idade, Jonathan baixou códigos fonte de sistemas da ISS (Estação Espacial Internacional).

Um dos grupos hackers mais conhecidos do mundo é o Anonymous. Formada por pessoas desconhecidas é considerada uma organização de ativistas. Seu principal objetivo é invadir páginas na internet, derrubar servidores e, até mesmo, vazar dados confidenciais, como forma de protesto.

Recentemente, o grupo ficou marcado por lançar uma repulsa em forma de vídeo contra o assassinato de George Floyd, em Minneapolis, Estados Unidos. No Brasil, o Anonymous vazou supostos documentos de cidadãos ligados ao presidente Jair Bolsonaro, com informações do próprio, de sua família e de assessores.

Fonte:  Pikist 

Não é só de crimes que vive o mundo dos hackers. Recentemente foi criada uma iniciativa, na Universidade de São Paulo (USP), com o objetivo de identificar vulnerabilidades e recomendar correções no sistema da própria instituição. Chamado de “Hackers do Bem”, o projeto conta com alunos do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do Instituto de Matemática e Estatística.

Em todo o mundo existem hackers que utilizam seu conhecimento, tanto para o bem, quanto para o mal. Uma verdadeira batalha digital acontece a todo instante, sem que possamos saber. Todo o cuidado é pouco para evitarmos um impacto direto em nossas vidas.

Fonte: Tecmundo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *