O que fazer se um inseto entrar no ouvido? Tentar retirá-lo pode ser pior

Imagine passar mais de 24 horas com uma barata no ouvido. A influenciadora Aline Lopes viveu a experiência enquanto esperava pelo atendimento médico adequado para fazer a remoção do inseto.

O otorrinolaringologista Danilo Anunciatto Sguillar, da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, explica que este é o modo correto de agir.

“A recomendação é que não se use nada que possa dificultar a remoção do inseto. Então é importante não usar grampos, nenhum tipo de haste metálica ou de algodão, [porque] fazer esse tipo de tentativa para removê-lo pode ser pior”, afirma o especialista.

Mas quais são os riscos para a saúde caso um inseto entre no ouvido? O otorrinolaringologista explica que isso depende da forma como o animal atinge o órgão. Os primeiros danos, como lacerações da pele, podem ocorrer na orelha externa, onde também há um risco de infecção por causa da lesão criada.

“Dividimos o ouvido em orelha externa, orelha média e orelha interna. [Podem ocorrer] perfurações ou lacerações de membrana timpânica, e até risco de o inseto adentrar a membrana do tímpano, ganhar a orelha média e a orelha interna e criar danos permanentes como uma perda auditiva se danificar a região do nervo auditivo”, destaca o especialista.

Perda de audição é, inclusive, um dos sintomas de que há um inseto no ouvido. Além disso, pode ocorrer desconfortos locais, dor, sangramento e coceira.

Como retirar o inseto do ouvido?

A remoção do inseto vai depender se ele está vivo ou não. Caso o animal esteja se movimentando para tentar sair, a recomendação, segundo o especialista, é colocar uma gota de óleo no ouvido, que pode ser um óleo mineral, de cozinha, azeite ou mesmo vaselina.

“Essa substância vai fazer com que o inseto paralise e então essa pessoa tem que imediatamente procurar ajuda de um otorrinolaringologista”, afirma o médico.

No caso de o inseto estar morto, também é importante buscar o atendimento especializado, onde o animal será retirado com pinças específicas para este fim.

“O especialista pode fazer uma lavagem de ouvido com água morna para que esse inseto seja removido por completo, e aí sim, em posse de um otoscópio, que é um aparelho que usamos para avaliar o ouvido, ele vai avaliar, após a remoção, quais os danos que porventura esse inseto causou na região, tanto da orelha externa quanto de orelha média”, afirma o otorrino.

Fonte: R7.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.