Os 5 insetos mais venenosos do mundo

Os insetos causam calafrios em muitos de nós. Baratas, lagartas, besouros e outros exemplares desta classe de animais costumam suscitar uma imediata sensação de repugnância. Mas alguns insetos dão um motivo para fugir que vai além do simples nojo: seus venenos.

Neste texto, o Olhar Digital mostra um levantamento do site Perito Animal com os cinco insetos mais venenosos do mundo, onde eles se encontram e por que são tão perigosos.

PUBLICIDADE

Confira os cinco insetos mais venenosos do mundo:

5. Abelha-africana (Apis mellifera scutellata)

abelha
Imagem: TiagoLuiz (Shutterstock

A lista começa com um inseto que, por si só, não oferece muito risco, mas, quando em grupo, torna-se uma força temível.

Esta subespécie da abelha comum é nativa das regiões centrais e meridionais do continente africano. Seu comportamento é consideravelmente mais agressivo que o de sua parente europeia, e ela costuma atacar em números maiores, além de injetar oito vezes mais veneno em suas vítimas em um período de apenas 30 segundos. A combinação desses fatores significa que a investida conjunta desses insetos pode ter resultados fatais a seres humanos.

A abelha-africana foi introduzida ao continente americano em 1956 pelo agrônomo brasileiro Warwick Estevan Kerr, que buscava uma subespécie mais resistente a doenças. Dois anos depois, alguns indivíduos escaparam acidentalmente de sua colônia experimental e a subespécie se espalhou rapidamente pelo restante do continente. Hoje, 90% das abelhas encontradas no Brasil contém genes da abelha-africana.

PUBLICIDADE

4. Cantárida (Lytta vesicatoria)

cantaria
Imagem: divulgação/educanlingo

Este pequeno besouro vive principalmente no sul da Europa e chama a atenção por sua coloração de um verde vívido.

PUBLICIDADE

Ele produz uma substância tóxica chamada cantaridina cujo uso pela humanidade data da Antiguidade. Entre as suas funções mais comuns, estão a de afrodisíaco, componente para remédios e tempero culinário. Todavia, com o passar dos anos e o avanço da ciência, os perigos da cantaridina se tornaram mais conhecidos e ela tem sido cada vez menos utilizada. Quando em contato com a pele, essa substância pode causar irritação severa, sangramentos e formação de bolhas. Ingerida em excesso, leva a uma morte lenta e dolorosa em decorrência de estragos no sistema gastrointestinal e falência aguda dos rins.

3. Vespa-gigante-asiática (Vespa mandarina)

PUBLICIDADE

vespa
Imagem: divulgação/ WASHINGTON STATE DEPARTMENT OF AGRICULTURE

Com quase 8 cm de comprimento, esta é a maior espécie de vespa do mundo. A simples visão de seu exoesqueleto alaranjado já é motivo de terror por onde ela passa, isso porque este inseto possui uma toxina perigosa, capaz de causar a destruição de tecidos do corpo humano e até a morte, em razão de um choque anafilático ou parada cardíaca após falência múltipla de órgãos. Porém, assim como a abelha-africana, a picada de um único indivíduo, embora extremamente dolorosa, não costuma ser fatal. O verdadeiro risco aparece quando a pessoa é atacada por um grande número de vespas, principalmente se ela for alérgica à sua picada.

Seu habitat natural é vasto, compreendendo grande parte do leste e sudeste asiáticos, mas há registros de vespas nos Estados Unidos, provavelmente levadas acidentalmente em navios de carga.

Leia também!

2. Taturana-oblíqua (Lonomia obliqua)

taturana
Imagem: Roberto Moraes/ Instituto Butantan

A taturana-oblíqua é uma espécie de lagarta de mariposa nativa do Brasil. Suas cerdas são cobertas por uma toxina com efeito urticante, e o ato de tocá-las causa uma dor intensa, similar à sensação de uma queimadura. Embora não costume causar maiores complicações, certos fatores, como uma pressão maior exercida sobre as cerdas e o contato físico com um grande número de lagartas, podem levar a sintomas mais graves, que incluem desde uma síndrome hemorrágica com sangramentos na urina e na gengiva até insuficiência renal, o que pode ocasionar a morte do paciente.

O aumento do número de acidentes com essa lagarta nos últimos anos tem como principal causa o desmatamento de seu habitat natural, o que faz com que os indivíduos desta espécie migrem para assentamentos humanos próximos.

O Instituto Butantan desenvolve desde 1994 um antídoto baseado no veneno da própria taturana.

1. Formiga-cabo-verde (Paraponera clavata)

formiga
Imagem: Wikimedia Commons

O inseto mais venenoso do mundo é uma formiga de grande porte (até 2,5 cm) que habita as florestas do Brasil e de vários outros países da América do Sul e Central.

A dor de sua picada é equiparada à de um tiro de revólver e dura entre 12 e 24 horas. Além do suplício extremo, o veneno desta formiga pode causar náuseas, suor frio, vômitos, alterações anormais no ritmo cardíaco, distúrbios nos linfonodos, um edema na região da picada e aparecimento de sangue nas fezes. Apesar de todos esses efeitos assustadores, não é comum a ocorrência de morte, que está associada a uma reação alérgica não-tratada.

As formigas desta espécie têm uma função inusitada: em comunidades indígenas da Amazônia brasileira e da Guiana Francesa, sua picada é utilizada em ritos de passagem de crianças para a idade adulta e em cerimônias que visam à ascensão social. Aqueles que se submetem a esse ritual precisam vestir uma luva de folhas repleta de formigas-cabo-verde em seu interior e aguentar as picadas por cinco minutos antes de tirá-la.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.