Paciente com câncer fica 471 dias com Covid e apresenta três linhagens diferentes do vírus

A Universidade de Yale, no Estados Unidos, desenvolveu um estudo sobre o caso de um paciente de 60 anos, em tratamento de linfoma – um tipo de câncer do sistema linfático – que foi infectado pelo coronavírus e ficou durante 471 dias seguidos com Covid-19, comprovado com teste PCR. Sendo que foram encontradas em circulação no sangue dele três linhagens diferentes do SARS-CoV-2.

No ensaio, publicado essa semana em pré-print e que ainda precisa ser analisado pela comunidade científica, os pesquisadores sugerem que as pessoas imunocomprometidas servem como hospedeiras para a evolução do patógeno da Covid-19.

De acordo com a publicação, dentro do organismo paciente o vírus apresentou uma taxa evolutiva aproximadamente duas vezes maior que a taxa evolutiva global do SARS-CoV-2. O que significa dizer que o genoma passa por mutações duas vezes mais rápido do que fora do organismo com doenças crônicas.

Essa evolução intra-hospedeiro levou ao surgimento e persistência de pelo menos três genótipos distintos, sugerindo o estabelecimento de populações virais estruturadas, disseminando continuamente diferentes cepas na nasofaringe.

“Nossas descobertas demonstram que infecções crônicas não tratadas aceleram a evolução do SARS-CoV-2, proporcionando oportunidade para o surgimento de variantes geneticamente divergentes e potencialmente com muito transmissibilidade, como visto com Delta e Omicron”, escreveram os pesquisadores na publicação do artigo.

Vale ressaltar que o caso desse pacientes não é caracterizado como Covid-19 longa, uma vez que os exames do homem seguiram positivos. Já, em pessoas com infecção duradoura, o vírus não está mais ativo no organismo e só alguns sintomas são persistentes.

Histórico clínico

O paciente foi diagnosticado com Covid a primeira vez em novembro de 2020. Na época, apresentou sintomas leves do trato respiratório superior, não precisou de oxigenação ou hospitalização. O homem permaneceu assintomático durante toda a infecção por SARS-CoV-2, sendo que última medição do estudo foi em março de 2022.

Sobre o tratamento de câncer, ele recebeu um transplante de células-tronco em 2019. No início de 2020, o paciente teve uma recaída e foi iniciado em um novo tratamento paliativo de quimioterapia. Até novembro de 2020 ele apresentou melhoras, quando teve nova recaída e foi infectado pelo coronavírus.

Fragilidade de imunocomprometidos

Não é a primeira vez que cientistas falam sobre a possibilidade de os infectados com problemas no sistema imune serem o meio do aparecimento de novas variantes do SARS-CoV-2. No surgimento da Ômicron, pesquisadores sul-africanos especularam que a variante pode ter vindo de uma pessoa com doença crônica que teve Covid-19.

Cientistas acreditam que a evolução e mutação do vírus em hospedeiro seja maior em indivíduos imunosuprimidos porque ele estaria sujeito a menos obstáculos genéticos, e isso poderia aumentar as chances de recombinação do SARS-CoV-2.

Fonte: R7.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.