‘Papai do céu ajudou’, diz Bolsonaro sobre sorteio de Mendonça para relatar ação do ICMS

O presidente Jair Bolsonaro comemorou nesta sexta-feira (13) o fato de o ministro do STF, André Mendonça, ter sido sorteado para julgar o pedido de liminar da Advocacia-Geral da União contra políticas estaduais para cobrança do ICMS sobre o diesel. Mendonça deferiu nesta sexta o pedido de medida cautelar da AGU.

“Ajuizamos uma ação no Supremo Tribunal Federal. Lá, eu tenho dois ministros indicados por mim. Então, a chance [é] 20%. E papai do céu nos ajudou. Hoje, pela manhã, ajuizamos a ação. Caiu com o ministro André Mendonça, e, com total isenção, ele deferiu a liminar”, comemorou o presidente. Bolsonaro fez o comentário durante seu discurso na abertura da Convenção Nacional do Comércio Lojista, em Campos do Jordão (SP). O evento é organizado pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas do Estado de São Paulo (FCDL-SP).

Medida cautelar deferida por André Mendonça

De acordo com Mendonça, ficaram claras a relevância e a urgência da questão. “Ao se verificar que tanto o Chefe do Poder Executivo — autor da presente demanda — quanto o Chefe do Poder Legislativo federal — que instou o Confaz [Conselho Nacional de Política Fazendária] a reanalisar a questão por meio do ofício mencionado — ocupam-se da matéria, manifestando-se, cada um à sua maneira, pela necessária superação do status quo, inalterado pela norma vergastada”, escreveu o ministro.

Após a decisão, o Confaz informou em nota que, para o conselho apresentar manifestação, é necessária a realização de reunião do colegiado. “Nesta linha, destacamos que a próxima reunião está prevista para ser realizada no dia 1º de julho de 2022”, diz a nota.

A ação

A ação é assinada por Bolsonaro e pelo advogado-geral da União, Bruno Bianco. O governo pediu que o STF suspenda o convênio do Confaz que definiu as alíquotas até o julgamento final do processo.

O governo solicitou também informações ao Confaz, bem como às casas legislativas do Congresso Nacional, e pede que seja declarada a inconstitucionalidade das cláusulas quarta e quinta do convênio.

A cláusula quarta diz que estados e Distrito Federal poderão estabelecer fator de equalização de carga tributária máxima, por litro de combustível, aplicável às saídas com óleo diesel A, ainda que misturado, destinadas a seus respectivos territórios.

Já a cláusula quinta afirma que, para a aplicação do disposto citado acima, será considerado o fator de equalização de carga tributária da unidade da federação em que se localizar o destinatário do combustível.

Em março deste ano, o Congresso Nacional aprovou projeto de lei que muda a forma de cobrança do ICMS em operações que envolvem combustíveis. Depois, ele foi sancionado por Bolsonaro. Com a nova legislação, a alíquota do imposto será cobrada sobre o valor fixo por litro, e não sobre o preço do produto.

Após reunião, o Fórum dos Governadores decidiu autorizar a prorrogação do congelamento do ICMS sobre gasolina, etanol e gás de cozinha por 90 dias. O congelamento foi definido em novembro do ano passado e prorrogado em janeiro deste ano até 31 de março.

Em atendimento ao projeto de lei sancionado por Bolsonaro, os governadores decidiram também adotar novo cálculo do ICMS sobre o diesel. Dessa forma, a cobrança estabelecida foi de R$ 1,006 em cada litro do diesel S10 (o de uso mais difundido).

Para o governo, porém, o valor cobrado está acima do preço fixado antes da alteração. “Além de juridicamente insustentável, a persistência da prática de alíquotas assimétricas onera significativamente os contribuintes, que já se encontram pesadamente impactados pela variação drástica do preço dos combustíveis na atual conjuntura”, diz a ação.

Em live nas redes sociais nesta quinta-feira (12), Bolsonaro afirmou que seria necessário “tomar alguma atitude” para impedir a escalada do preço dos combustíveis. Além disso, reclamou da Petrobras e disse que a empresa precisa ter responsabilidade com a população.

“Está previsto em lei, no caso da Petrobras, que ela tem que ter o seu papel social no tocante ao preço de combustíveis. Ninguém quer que a Petrobras tenha prejuízo ou fazer o que a senhora Dilma [Rousseff, ex-presidente] fez lá atrás, interferindo artificialmente no preço da Petrobras. A gente espera, aqui, redução do preço. Vamos ter que recorrer à Justiça”, disse o presidente.

Fonte: R7.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *