Partido Comunista da China chega aos 100 anos com domínio socioeconômico

Na mesma semana em que celebra seus 100 anos, nesta 5ª feira (1º.jul.2021), o PCC (Partido Comunista da China) lançou um estudo sobre a adesão popular à sigla no país asiático.

“O PCC desfruta do apoio sincero da maioria mais ampla possível do povo, o que não mudou com o passar do tempo”, concluiu a mais recente pesquisa do think tank chinês New China Research, vinculado à agência estatal Xinhua.

Outra pesquisa do Ash Center, da Universidade de Harvard, lançada em julho de 2020, já antecipava os dados. Mais de 93% da população de 1,4 bilhão de habitantes se mostrou satisfeita em relação ao governo central –alvo frequente de críticas de países ocidentais.

O apoio popular ao PCC não se dá por acaso. O partido é o núcleo de todas as decisões chinesas, como o mais recente Plano Quinquenal que estabelece uma alta performance nos investimentos em tecnologia como big data e inteligência artificial.

Planejamento a longo prazo e flexibilidade permitiram que o Partido Comunista Chinês eliminasse a pobreza de 800 milhões de habitantes desde a década de 1970 e elevasse o yuan como moeda internacional.

As decisões do partido pavimentam a ascensão do país até o posto de 2ª maior economia do mundo –fato que deveria inspirar o Brasil a ser “pragmático” nas relações com o país independentemente das ideologias, afirmou Evandro Menezes de Carvalho, coordenador do Núcleo de Estudos Brasil-China da FGV (Fundação Getúlio Vargas) no Rio de Janeiro.

“O Brasil deveria se despir dos preconceitos políticos e ideológicos e construir uma relação pragmática com a China –algo que o Partido Comunista já faz há muito tempo”, disse. Segundo ele, essa seria uma maneira de beneficiar o cenário econômico brasileiro em especial nos campos comercial e tecnológico.

A demanda urgente do Brasil, conforme Carvalho, é a formulação de uma “agenda de ação” e “política de Estado” em relação à China. “Temos um baixo nível comercial considerando os índices chineses. Por isso é essencial compreender o que vem pela frente e como as mudanças na governança chinesa poderão repercutir por aqui”, disse.

A JORNADA ATÉ O TOPO

Conflitos históricos fizeram com que o PCC firmasse suas raízes no poder da China. As guerras contra o Reino Unido e o Japão entre 1839 e 1949 deixaram o país imerso em fome, baixa industrialização e pobreza. Até então, a relevância no cenário internacional era praticamente nula.

Ao chegar ao poder depois de derrotar o partido nacionalista Kuomitang –que depois formou Taiwan –, em 1949, Mao Tse-Tung iniciou a implantação de políticas de industrialização e apropriação de terras privadas no chamado “Grande Salto Adiante”.

Erros do partido e a pobreza acentuada aprofundaram o descontentamento da população, um dos motivos centrais para a Revolução Cultural, medida que prendeu, torturou e matou grande parte dos dissidentes e opositores chineses.

A recuperação veio sob a liderança de Deng Xiaoping, sucessor de Mao, que descentralizou o poder do Estado, abriu a China a países estrangeiros e deu início a reformas experimentais. Era o princípio do grande salto econômico chinês que revolucionou o país entre as décadas de 1990 e 2010.

Essas mudanças minaram as origens nacionais quase totalmente voltadas à economia rural para tornar a China sede de grandes empresas nacionais e multinacionais. “O PCC é absolutamente singular no mundo”, classificou o ex-embaixador do Brasil na China, Valdemar Carneiro Leão.

“Não é imitável em lugar algum, inclusive nenhum país teria condições de imitar essa máquina extremamente hierarquizada, de grande rigor e disciplina. Não há nada parecido no Ocidente ou Oriente”, disse.

PERMANÊNCIA 

As entranhas do partido pavimentam o “socialismo com características chinesas” que, inspirado nas teorias de Karl Marx, leva em conta sucessos e fracassos de nações socialistas sem deixar de lado a ideologia e influência pela história milenar do país.

“O partido sobrevive até hoje por causa da adaptação. Perceberam que, para continuar no poder, tinham que transformar o partido e o modelo econômico vigente”, disse a diretora executiva do Conselho Empresarial Brasil-China, Claudia Trevisan.

As reformas de Deng Xiaoping, por exemplo, foram aprovadas 10 anos antes da queda do Muro de Berlim. “A China fez o que a União Soviética não fez”, afirmou a especialista.

Essa capacidade de adaptação reforça o pragmatismo chinês –e a urgência do Brasil em se beneficiar economicamente do gigante asiático. “Não há por que o Brasil hostilizar a relação com a China, apontou Carneiro Leão. “Ela tem sido fundamental em nossas contas externas, os benefícios são claros, desde o comércio até o agronegócio. Não há por que o Brasil prescindir do diálogo que tinha com a China apenas por antipatia ideológica”.

LONGO PRAZO

Tanto Trevisan quanto Carvalho e Carneiro Leão são unânimes em suas posições sobre as relações Brasil-China.

Os laços, mantidos oficialmente desde 1974, se deterioraram depois que o governo brasileiro adotou a agenda dos EUA sobre o governo chinês –um ponto de vista estimulado pelas disputas comerciais e tecnológicas entre Pequim e Washington.

A longo prazo, porém, a China deve manter sua raiz pragmática em relação ao Brasil. “Ambos se beneficiam: o Brasil é um parceiro estratégico da China”, apontou o diplomata. Os atritos não devem prejudicar a relação entre os países. “Um divórcio econômico resultaria apenas em desvantagens”, disse Trevisan.

Enquanto isso, Xi Jinping e o PCC dão continuidade ao plano de consolidar a China como líder global até 2050 –mesmo que isso prolongue os conflitos diplomáticos com os EUA e a União Europeia.


Esta reportagem foi produzida pelo estagiário em jornalismo Victor Borges sob a supervisão do editor-assistente Victor Labaki

Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *