Pesquisadores descobrem que o Bluetooth do seu celular pode ser usado para te rastrear

Pesquisadores da Universidade da Califórnia descobriram que é possível rastrear uma pessoa por meio do Bluetooth Low Energy (BLE) de seu telefone celular ou de outro dispositivo com o recurso. Isso porque, segundo os estudos realizados, a comunicação via Bluetooth carrega uma impressão digital única.

Basicamente, foi constatado que cada chip Bluetooth individual tem uma pequena imperfeição, criada durante o processo de fabricação. De certa forma, apesar de serem produzidos em escala e terem medidas para impedir a identificação, todos esses chips são um pouco únicos.

Isolando o sinal de Bluetooth

Segundo os estudos, é um pouco trabalhoso realizar essa tarefa de rastreamento. Começando que o invasor precisa primeiramente isolar o alvo para explorar essa impressão digital. Depois disso, um receptor específico precisa estar em locais onde o celular costuma ser usado – para o telefone (e a pessoa) ser identificado quando estiver próximo ao receptor.

Ou seja, quem quiser rastrear alguém por meio do Bluetooth precisa estar relativamente perto do alvo, para conseguir efetivamente “bisbilhotar” suas transmissões pelo recurso. Quanto mais frequentemente o dispositivo BLE transmite, maior a probabilidade de o invasor receber uma transmissão se um usuário passar.

Não é tão fácil

No entanto, uma pessoa que queira rastrear alguém por meio de sinais Bluetooth do celular terá desafios muito complicados – além de ser realmente necessário estar perto do alvo para esse rastreamento ocorrer. Há diferentes tipos de chip, com diferentes implementações de hardware, e o potencial de comunicação por Bluetooth é mais poderoso em uns dispositivos do que em outros.

Os pesquisadores também observaram que um invasor precisaria de um certo nível de conhecimento tecnológico para fazer isso, mesmo que o equipamento necessário para essa tarefa não seja muito caro. “No entanto, a capacidade de um invasor de rastrear um alvo específico é essencialmente uma questão de sorte”, escreveram os pesquisadores.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.