PP está dividido sobre possível filiação de Bolsonaro, diz jornal

Depois do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) escolher o senador Ciro Nogueira (PP-PI) para a Casa Civil, as negociações para que o chefe do Executivo concorra à reeleição em 2022 pelo PP (Progressistas) se intensificaram. Contudo, não há consenso na sigla. Segundo a Folha de S. Paulo, o PP também articula a filiação de 2 ministros.

Possíveis intervenções de Bolsonaro preocupam líderes do partido, especialmente do Nordeste. “Estou tentando um partido que eu possa chamar de meu e possa, realmente, se for disputar a Presidência, ter o domínio do partido. Está difícil, quase impossível“, disse Bolsonaro nessa 6ª feira (23.jul.2021). “Então, o PP passa a ser uma possibilidade de filiação nossa“, completou.

Bolsonaro fez parte do PP de 2005 a 2016, quando era deputado federal. Segundo membros do partido, há cerca de 3 semanas, o presidente questionou Ciro sobre a possibilidade de filiar-se novamente. O senador sondou integrantes da sigla e verificou haver resistências.

O jornal cita o presidente da Câmara, o deputado Arthur Lira (PP-AL), como um dos opositores da ideia de Bolsonaro filiar-se à sigla. Ele diz acreditar que uma eventual derrota do PP na corrida eleitoral de 2022 poderia prejudicar a sua reeleição ao comando da Casa no ano seguinte.

Outro empecilho apontado por membros do partido é a possibilidade do retorno de Bolsonaro atrapalhar acordos estaduais para as eleições do ano que vem. Eles também acreditam que o presidente pode levar com ele aliados que disputarão cargos para os quais o PP já tem nomes consolidados.

De fato, espera-se que Bolsonaro não vá sozinho. Deputados aliados e os seus filhos, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), devem acompanhá-lo.

O Estado que mais se incomodaria com a presença do chefe do Executivo seria a Bahia. O vice-governador João Leão (PP) é aliado do governador Rui Costa (PT). O PP baiano avalia que se Bolsonaro for para o partido, as alianças com o PT possam ser prejudicadas.

Apesar do partido não ter consenso sobre a filiação de Bolsonaro, os que concordam e os que discordam defendem que, se ele ingressar na sigla, terá de respeitar as regras vigentes.

Ciro Nogueira é o atual presidente do partido. Ele não pretende ceder o cargo, assim como os líderes dos diretórios estaduais.

Atualmente, o PP é um dos partidos mais fortes na Câmara, com 41 deputados federais. Já no Senado, a sigla ocupa 7 cadeiras.

Ciro também negocia a filiação de pelo menos 2 ministros de Bolsonaro: Fábio Faria (Comunicações), que hoje está no PSD, e Tereza Cristina (Agricultura), hoje no DEM. Ambos planejam disputar uma vaga no Senado pelo Rio Grande do Norte e Mato Grosso do Sul, respectivamente.

Faria ainda é citado como possível candidato a vice na chapa de Bolsonaro.

Além do PP, o presidente negocia sua filiação com o DC (Democracia Cristã). Em live semanal, transmitida em suas contas oficiais nas redes sociais nessa 5ª (22.jul), ele afirmou que se reuniu com José Maria Eymael, presidente do DC.

Não tenho partido ainda. Conversei com José Maria Eymael, um bate-papo. Ele está com 81 anos. Falou que pretende disputar a presidência pela última vez pelo PSDC. É um partido que não tem tempo de TV, não tem fundo partidário. Apenas conversei com ele. Estou conversando… não é fácil chegar a um acordo com partido, igual a um casamento”, disse.

As novas investidas do presidente acontecem depois que as negociações com o Patriota travaram. O presidente afastado do partido, Adilson Barroso, o maior entusiasta da filiação de Bolsonaro, afirmou que foi avisado por interlocutores do presidente que o chefe do Executivo não deve concorrer às eleições presidenciais de 2022 pela sigla.

Fonte: Poder 360

Créditos: Blog do Elias Hacker

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *