Pressão alta é responsável por 40% dos infartos e 80% dos derrames cerebrais, alerta cardiologista

Hipertensão arterial é o principal fator de risco para infartos e derrames. Para o cardiologista e pesquisador Valério Vasconcelos, orientar a população sobre a pressão alta é muito importante, principalmente porque a adoção de hábitos saudáveis no dia a dia contribui muito para se evitar ou controlar a doença. Na Paraíba, cerca de 25% da população têm pressão alta, conforme dados da Pesquisa Nacional de Saúde.

“Conhecida popularmente como pressão alta, a hipertensão arterial sistêmica (HAS) acomete três de cada dez brasileiros e um a cada quatro paraibanos. Por definição, é a elevação dos níveis de pressão sanguínea nas artérias. Ela é considerada alta quando atinge valores acima de 12 por 8 (120 por 80 mmHg)”, explica o médico.

De acordo com o cardiologista, a pressão alta é o principal fator de risco para a ocorrência de outras doenças, sendo a responsável por 40% dos infartos do miocárdio, 80% dos derrames cerebrais (o popular derrame) e 25% dos casos de insuficiência renal. “Além de ser causa recorrente de aneurisma arterial e insuficiência cardíaca”, acrescenta o especialista.

Autor dos livros ‘O coração gosta de coisas boas’ e ‘Manual de Cardiologia para graduação’, dentre outros, Valério Vasconcelos lembra que existem fatores de risco não controláveis (idade e genética) e controláveis (excesso de peso, excesso de sal, sedentarismo, tabagismo, consumo de álcool e estresse) relacionados à hipertensão. Em relação à idade, homens acima dos 55 anos e mulheres acima dos 65 têm mais chance de desenvolver pressão alta. Já a questão genética também exige muita atenção. “Se você tem algum familiar próximo que tenha pressão alta, suas chances de desenvolver a doença são maiores”, diz Vasconcelos.

Alimentação interfere na pressão arterial

Indagado sobre a interferência da alimentação nos quadros de pressão alta, o médico esclarece que a simples alteração nos hábitos de nutrição da pessoa hipertensa pode ajudar a controlar os níveis da pressão arterial. A elevação desses níveis, explica, está ligada a excessos alimentares (principalmente o alto consumo de sal) e ao sobrepeso.

“Por isso, é recomendado diminuir a ingestão de alimentos industrializados, como refrigerante e fast food, e alimentos ricos em gordura saturada, como carne vermelha, linguiça e bacon, podem favorecer o aumento dos níveis de sódio no organismo e facilitar a formação de placas de gordura nas artérias, causando o aumento da pressão arterial”, orienta o especialista. E acrescenta: “Além disso, o ideal é que os indivíduos busquem sempre uma alimentação saudável, composta por frutas, legumes, verduras, cereais integrais e carnes magras”.

Além de priorizar uma boa alimentação, há outros hábitos saudáveis que o cardiologista aponta como importantes agentes na prevenção e no controle da hipertensão arterial. São eles: exercitar-se regularmente; ficar atento à gordura abdominal; reduzir a ingestão de álcool; não fumar; eliminar o estresse e moderar o consumo de sal.

“O impacto do consumo excessivo de sal na pressão arterial não é novidade. Mas não é só na adição de sal nas preparações de alimentos que devemos ter cuidado. As pessoas devem evitar produtos em conserva, embutidos, salgadinhos, biscoitos recheados, alimentos processados, refrigerantes, queijos amarelos e temperos prontos e procurar não adicionar mais sal ao seu prato, substituindo-o por temperos naturais”, sugere o cardiologista Valério Vasconcelos.

Saiba mais sobre os fatores de risco controláveis relacionados à hipertensão:

  • Excesso de peso — O sobrepeso dificulta a circulação do sangue, o que pode aumentar a pressão nos vasos;
  • Excesso de sal — O sódio retém água no organismo, o que pode obstruir os vasos sanguíneos;
  • Sedentarismo — Não praticar exercícios físicos aumenta as chances de desenvolver a hipertensão;
  • Tabagismo — Substâncias tóxicas presentes no cigarro contraem os vasos sanguíneos, o que aumenta a pressão arterial;
  • Consumo de álcool — Além de ser muito calórico, o álcool aumenta a pressão arterial no organismo;
  • Estresse — Passar por muitas situações de estresse no dia a dia pode ser um fator de risco para a pressão alta.

Portal Correio

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.