“Promiscuidade” entre política e militares “tem que acabar”, diz Jungmann

O ex-ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que é preciso acabar com a “promiscuidade” entre as Forças Armadas e a política no Brasil. Para ele, o Congresso precisa regulamentar a relação entre militares e governo.

Na raiz disso tudo está a ausência de responsabilidade do Congresso Nacional em regulamentar a presença de militares, sobretudo da ativa, no governo. Isso é central e tem que ser cobrado”, disse em entrevista à CNN Brasil na 5ª feira (22.jul.2021). “Não é possível que essa promiscuidade entre forças armadas, que são instituições de estado, e militares, que são agentes de estado, com governo e com a política. Isso, na verdade, tem que acabar, e cabe ao Congresso de fato regulamentar isso.

A fala de Jungmann ocorreu depois de o jornal O Estado de S. Paulo reportar que o atual ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, teria enviado recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e ameaçado as eleições de 2022. Segundo o Estadão, “o general pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso e auditável. Ao dar o aviso, o ministro estava acompanhado de chefes militares do Exército, da Marinha e da Aeronáutica”.

ministro nega que o episódio tenha ocorrido. Lira também afirma que não houve ameaça de golpe.

Jungmann afirmou estar “preocupado” com o cenário de 2022. “Não espero e não acho que as Forças Armadas vão entrar em qualquer aventura golpista ou rasgar a Constituição”, afirmou o ex-ministro. “Mas tenho a preocupação, porque o presidente da República tem enfatizado que não aceitaria possíveis fraudes do sistema eleitoral, então ele está atacando o que é a base da legitimidade da vontade popular, que se expressa através do voto.

Para Jungmann, existe um “constrangimento” para que os militares apoiem o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “Ele tem falado em armar o povo para que não tenham ameaças nem interna e nem externa, e, ao mesmo tempo, ele vem fazendo um bullying, vem constrangendo as Forças Armadas para que elas apoiem as suas ameaças e os constrangimentos dos demais Poderes.

O ex-ministro considera ainda que o “bullying” do presidente não está dando os resultados que Bolsonaro espera. Um exemplo disso, para Jungmann, foi a saída dos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, além da troca do ministro da Defesa, cargo que era ocupado por Fernando Azevedo e Silva, em março deste ano.

“[Eles saíram] porque não endossaram e porque se negaram a permitir a politização das Forças Armadas”, disse Jungmann. O ex-ministro afirmou que depois da saída deles houve episódios preocupantes.

Entre eles, a não punição do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello por participar de ato político e a nota de Braga Netto e dos comandantes contra o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid no Senado. Para Jungmann, no entanto, o mais grave foi a fala do chefe da Aeronáutica, Carlos de Almeida Baptista Junior, de que “homem armado não ameaça” e o novo episódio, das eleições de 2022.

O ex-ministro disse ainda que mantém diálogo com os presidentes dos Poderes para “evitar conflitos”. Para ele, é preciso que haja diálogo entre os Poderes e os militares. “E cabe ao Supremo Tribunal Federal ensejar que isso venha acontecer.”

Fonte: Poder 360

Créditos: Blog do Elias Hacker

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *