Uma mente brilhante, quando viver com esquizofrenia é possível

John Forbes Nash, matemático, Prêmio Nobel de Economia e gênio em tempo integral, é o protagonista de “Uma Mente Brilhante” .

Um filme que, embora tenha ganhado quatro Oscars da Academia chamando poderosamente a atenção dos estudos de Hollywood, conseguiu atrair ainda mais a atenção de especialistas em psicologia e psiquiatria, por tratar do tema da esquizofrenia.

Este filme narra como esse ser humano excepcional aprende a conviver com a esquizofrenia ao longo de sua vida, aplicando uma regra segundo a qual “todo problema tem solução ”.

“Não, não acredito em sorte, mas acredito em atribuir valor às coisas”

-John Nash-

Esquizofrenia e dualidade mental

Jhon Forbes Nash vivia em uma dualidade constante produzida por sua mente tendo que diferenciar entre fantasia e realidade, devido à sua doença, a esquizofrenia.

As alucinações e delírios nunca desapareceram de sua vida, mas ele conseguiu mantê-los afastados a ponto de, depois de anos entre psiquiatras e médicos, voltar a ensinar matemática e receber uma das mais importantes menções nas ciências e nas artes.

Foi essa mesma mente brilhante, aquela que lhe trouxe reconhecimento mundial, enquanto sofria e lutava para superar sua doença.

Então…A esquizofrenia tem cura ou não?

Tratamento da esquizofrenia

O filme passa ao longo de quase cinco décadas, sendo a mais difícil, sem dúvida, a década de 1960. Nesta fase, John Nash é admitido em várias ocasiões em um centro psiquiátrico.

Durante sua permanência lá, eles retratam brevemente o abuso de drogas psicotrópicas, bem como o temido eletrochoque que, nos Estados Unidos, era usado para “reparar” casos de diversas psicoses e estados agressivos. A realidade é que essas medidas, longe de ajudar os pacientes, constituíram mais uma causa de agravamento.

Além disso, a superlotação de todos os tipos de pacientes, de neuróticos a psicóticos perigosos, dentro dos mesmos muros, transformou esses centros em prisões indiscriminadas, nas quais o objetivo era mais a retirada dessas pessoas das ruas do que a recuperação.

Desta abordagem surge outra completamente oposta quando o protagonista de “Uma Mente Brilhante” analisa as consequências que, ainda hoje, continuam a ter certos tratamentos psicofarmacológicos que são administrados de forma indiferenciada aos diferentes transtornos mentais.

uma mente incrível

Estes resultados do tratamento são principalmente a impotência, a tendência a engordar, os problemas de concentração, bem como um estado de constante apatia porque, em muitos casos, incluem componentes sedativos.

Diante disso, John Nash concebe uma forma altamente controversa e inválida para todos os pacientes com os quais consegue lidar com sua doença sem ter que passar o resto da vida em um hospital psiquiátrico: aceitar que ele tem alucinações e ignorá-las pelo resto de sua vida.

Jhon Nash, um exemplo de auto-aperfeiçoamento

Graças à sua grande capacidade cognitiva e inteligência, Nash aprendeu com esforço, paciência e treinamento a diferenciar a realidade de seus delírios. Foi um exemplo de auto-aperfeiçoamento.

“O que distingue o real do irreal está no coração”

-John Nash-

Esta decisão gera uma série de questões que ainda não foram resolvidas por serem questões controversas a nível moral e ético.

  • É seguro deixar uma pessoa que tem alucinações andar na rua sem a medicação?
  • Será que a vida de uma pessoa com transtorno mental realmente terá melhor qualidade estando em um centro psiquiátrico do que na rua, mesmo que tenha que lutar contra seus medos pessoais?
  • A esquizofrenia recebeu tanta atenção quanto outros transtornos ou ainda é um tabu entre os transtornos mentais?

Ainda há muito a saber sobre quais podem ser as respostas mais apropriadas para essas perguntas. Mas o que está claro para nós é que Jhon Nash encontrou sua maneira particular de lidar com a esquizofrenia, graças à sua mente brilhante e capacidade pessoal.

Fonte: Amante e Maravilhosa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.